ANALISANDO O CUSTO BENEFÍCIO

Como analisar o custo-benefício dos produtos?

 

O comprador de uma empresa, muitas vezes se encontra em uma saia justa: diminuir os custos com aquisições, mas manter o padrão de qualidade dos produtos adquiridos. Infelizmente, quando organizações se pautam apenas pela questão monetária, acabam não conseguindo comprar os produtos com a mesma qualidade que gostariam e que necessitam.

Nestes casos, não entra apenas o quesito qualidade, mas o de encontrar produtos ou soluções mais viáveis para o seu negócio, mesmo que o preço não seja o mais barato do mercado. Estamos falando de custo-benefício, a técnica de comparação entre os suprimentos que não se baseia exclusivamente no custo, mas também nas vantagens que aquela aquisição pode oferecer.

É importante compreender que este método, que muitos já ouviram falar, mas poucos o conhecem na prática, tem como objetivo ajudar o comprador a avaliar o preço de um item de acordo com a sua capacidade de atender às necessidades da empresa.

 

Seguem alguns exemplos errôneos que ocorrem dentro de um departamento de compras:

  1. Comprar a mais e fazer um estoque desnecessário

Atraídas por uma oferta, um ótimo desconto, muitas empresas caem no engano de fazer uma grandiosa aquisição. Assim, acabam acumulando produtos, que podem estragar por algum fator ambiental, perderem a validade ou que vai demandar tempo demais da equipe para a organização do estoque, sem contar o espaço que devem conseguir para alocá-los.

  1. Quando o barato pode sair caro

Neste tópico, vamos convidar você a fazer um exercício, considerando que um comprador que trabalha em um departamento de compras de uma indústria, por exemplo, provavelmente, procura alternativas que possam minimizar não só o custo de matéria-prima, mas o custo de hora/homem. Muito bem, partindo deste princípio, usaremos um exemplo que estamos acostumados a presenciar. O valor de uma fita padrão vendida no mercado pode, em algumas vezes, ter um preço mais baixo, porém pode gerar mais custo nas horas trabalhadas pelos seus funcionários na aplicação deste material, pois não têm medidas personalizadas para a aplicação. Vamos supor que a aplicação da fita seja em um local com medida específica e que o acabamento ficará aparente. O profissional que fará a aplicação então terá de diminuir a largura da fita com um estilete, a fim de o trabalho ficar esteticamente bem feito, bem acabado.  Ou seja, é preciso sempre se atentar ao resultado final, pois pode existir um custo embutido no manuseio extra feito pelo aplicador. Vemos que, muitas vezes, muitos compradores não param para calcular as horas de trabalho de um funcionário, se iludindo apenas com a grande negociação de preço que fizeram com um fornecedor e essas podem sair muito mais caro ao comprar uma fita com medida personalizada.

Como calcular o custo-benefício?

Avaliar o aspecto financeiro é mais do que simplesmente comparar preços. Significa fazer boas escolhas a um valor adequado, buscando a melhor relação de custo-benefício disponível no mercado. Compreendendo isso, você se torna um ótimo profissional de compras para a empresa, pois evita verdadeiramente o desperdício de tempo e suprimentos, e passa a fazer economia, o que gera a camada extra de lucro esperada.

 

Isso é o que as empresas esperam de um comprador. Uma análise completa e real de todo o processo, sobre a capacidade daqueles determinados suprimentos serem bons o suficiente para a organização, a fim de economizar o máximo possível.

 

Escolhemos uma técnica que servirá de modelo referencial para ajudar a calcular o valor real dos produtos. Através desta será possível determinar a melhor relação de suprimentos a serem adquiridos.

 

De modo geral, para determinar essa relação é preciso comparar o preço necessário para obter tal insumo e a recompensa que essa escolha irá proporcionar. Assim, uma maneira de calcular essa relação é quantificar o benefício por meio de uma avaliação objetiva e dividir os custos pelo resultado dessa avaliação, conforme explicaremos logo abaixo:

 

  1. Relacione as características das matérias-primas que você precisa. Descreva o tamanho, a cor, base de sua confecção, prazo de entrega, fornecedor com ISO 9001, garantias de qualidade, praticidade de usabilidade e aplicação, tempo de manuseio enfim, tudo o que considerar relevante;

 

  1. Classifique essas características atribuindo pesos segundo sua importância usando a escala de 1 a 5, sendo 1 para aquelas com de menor importância e 5 para as mais importantes;

 

  1. Em seguida, avalie cada característica do produto com notas de nota de 1 a 5, sendo:

 

1 – não atende;

2 – atende em um sentido, mas deixa a desejar em outro;

3 – atende, mas parcialmente;

4 – atende totalmente sua necessidade;

5 – atende a sua necessidade atual, como também apresenta recursos que vão atender sua empresa continuamente.

 

  1. Após as avaliações, multiplique o peso pela nota, somando o resultado das características por produto. Essa será a nota de avaliação dos critérios estabelecidos;

 

  1. Para calcular o custo do suprimento em relação ao benefício, divida o custo total para aquisição da matéria-prima pela nota obtida.

 

Assim, o produto com menor valor resultante será aquele com melhor custo-benefício. Veja só como ficará o cálculo na prática:

 

 

Como no exemplo acima, o Modelo B, que tem um custo mediano para a aquisição, é o que possui os melhores benefícios para a sua empresa. Através desta planilha base, podemos notar que nem sempre o mais barato terá o melhor custo-benefício, ou seja, é neste momento que ocorrem muitos equívocos e onde o preço mais barato, no fim das contas, acaba saindo mais caro.

Ressaltamos que esta relação de custo-benefício pode ser utilizada para fazer uma análise muito minuciosa, isto porque não há limite na listagem das categorias. Além do que já foi citado no item 1, podem ser analisadas as condições de pagamento, durabilidade, assistência técnica, custo de manutenção, garantia estendida, despesas com seguros, entre outros diversos fatores que englobam desde a aquisição até a chegada do produto na sua empresa.

 

Onde encontrar o melhor-custo benefício?

 

A Global Tape está no mercado desde 2003. Ao longo dessa trajetória passou por melhorias constantes, visando o aperfeiçoamento, o crescimento e a modernização. Possuímos o certificado ISO 9001, por isso oferecemos ao mercado produtos de qualidade contínua e tecnologia de ponta.

Nossa empresa não é reconhecida apenas por sua qualidade, mas também por oferecer o melhor custo-benefício na aquisição de fitas adesivas. Nossos produtos com larguras e cortes personalizados minimizam o tempo de manuseio, reduzem o custo das horas trabalhadas pelos seus funcionários, maximizam a rapidez de aplicação e potencializam os resultados no setor de produção.

Tudo isso é resultado do investimento em aperfeiçoamento constante dos processos e do comprometimento com o sistema de gestão da qualidade, proporcionando, assim, a satisfação, economia e sucesso dos nossos clientes. Conheça as soluções que a Global Tape pode oferecer para sua indústria, clicando aqui.

Deixe uma resposta

9 − 5 =